O problema do live-blogging - Techbits

O problema do live-blogging

por Alexandre Fugita

[Teclado] Na semana passada fiquei boa parte da quarta, quinta e sexta-feiras longe do meu PC usado para blogar. Fui a diversos eventos como o lançamento da Eonde, encontro da Mozilla, Microsoft Remix e lançamento do Fiz.TV blog. Mas mesmo assim consegui postar textos no Techbits e Meio Bit desses lugares. Vários complicadores surgiram no meio do caminho. E todos tem a ver com a falta de infra-estrutura nesses locais para permitir acesso contínuo à internet.

Ematoma na Eonde

Eu e a Marisa Ematoma éramos os únicos bloggers no lançamento da Eonde. Os dois levaram o notebook, ela um Mac e eu um PC. O evento aconteceu no prédio da Microsoft, no andar destinado a coletivas de imprensa e outros eventos. Infelizmente não há rede wi-fi aberta para os visitantes no local. O Galileu, nosso contato na gigante de Redmond, emprestou seu notebook para a Marisa e eu fiquei dependente da rede celular usando meu Treo como modem.

A Marisa estava empolgada, escreveu um compêndio sobre a Eonde. Perto do momento em que iria postar, a bateria do notebook morreu. Depois disso minutos de desespero se seguiram pois não havia cópia daquele texto em qualquer lugar se não na página do Movable Type aberta no finado laptop. Até este momento eu havia escrito apenas 2 linhas sobre o mesmo assunto. No final, com ajuda da rede celular e do notebook com bateria suficiente, consegui postar no Meio Bit antes da Marisa, hehehe!

Meio Bit no Remix

Eu e o Cardoso fomos ao MS Remix 07, em São Paulo. A briga por uma conexão lá estava complicada. No primeiro dia ocorreram momentos de instabilidade no qual o sinal era cortado e depois restaurado. A casa que abrigou o evento não queria liberar o wi-fi para seus visitantes. No meio da tarde do primeiro dia alguém conseguiu convencê-los de que wi-fi era algo importante.

Mas no segundo dia o wi-fi foi simplesmente cortado, sem esperança alguma de voltar. Até uma das palestras sofreu com problemas de internet quando a demostração precisou da rede e nada de funcionar. Ainda bem que eu estava lá com um Treo atuando de modem e pude fazer uns posts aqui e no Meio Bit.

Tiago Dória no Fiz.TV

O Tiago Dória é o mestre do live-blogging aqui no Brasil. Durante o BarCamp postou ao vivo sobre todas as discussões interessantes que presenciou. Lá tinha rede wi-fi liberada para os participantes. Na noite da última sexta-feira 20 blogueiros foram convidados pelo Fiz.TV para um bate-papo e conhecer esse projeto da Editora Abril. Como todos estavam preocupados com o social, não vi um blogueiro sequer com pretensões de live-blogging. Pudera, a pizza e a cerveja estavam muito boas e os papos também.

Lá pelas tantas fui perguntar ao Dória se ele já tinha blogado, ao vivo, sobre o Fiz.TV. E o pior que tinha mesmo! Na verdade não fez um post no seu blog e sim atualizou seus leitores através do Twitter, provavelmente usando rede celular. Legal, Tiago Dória é o mestre do live-blogging no Brasil. Não podemos esquecer, claro, da Bia Kunze, a Garota Sem Fio, pioneira em moblog e na divulgação desta tecnologia.

MediaOn desconectado

Semanas antes eu havia comparecido a um evento de jornalismo on-line, o MediaOn. Incrivelmente não havia sequer a possibilidade de blogar ao vivo do auditório do Itaú Cultural já que rede wi-fi deve soar como palavrão por lá, assim como alguns acham as redes colaborativas uma aberração. O evento era patrocinado pelo Terra, grande portal da internet brasileira. Jornalismo on-line, só off-line mesmo.

Enquanto isso lá nos EUA…

O que vemos nos EUA é totalmente diferente. Lá quando há um lançamento importante, um keynote imperdível, uma simples coletiva de imprensa, vemos os bloggers postando direto do local. O Engadget faz isso com maestria, seu site tem picos de audiência exatamente no momento dos keynotes mais importantes. É possível saber via Engadget do lançamento que aconteceu menos de um minuto antes. Tudo graças ao live-blogging e à infra-estrutura montada para quem cobre esses eventos.

Aqui no Brasil é complicado. Não existe rede wi-fi (aberta ou fechada) em lugar algum ou ainda uma tomada para os gadgets sedentos por energia. Internet em eventos deveria ser como água, item básico. A graça do live-blogging está exatamente em fazer tudo ao vivo. Se for pra postar depois, quando todo mundo já leu os press-releases e a novidade já é história velha, melhor trabalhar em um jornal.

Comentários do Facebook
15 comentários
  1. Oi Fugita,
    Falta de conectividade em lugares públicos é chato, mas o que realmente me incomoda é minha conexão da Net que teima em cair ao menos uma vez por semana. E o mais chato de tudo é que sempre que ela cai acaba desconfigurando a rede sem fio lá de casa. Haja paciência.
    A gente precisa investir muito em infra-estrutura antes de poder confiar de verdade na internet aqui no Brasil…

  2. E quando funcionam os serviços tem preço muito alto… Impossibilita mesmo o gosto de ter dispositivos portáteis.

  3. Um dia ainda vou conseguir blogar de onde quiser – independente do tamanho do texto. Hoje não é seguro andar com um ibook na bolsa, e mesmo se fosse, não dá para encontrar rede sem fio em todo lugar. Meu sonho de consumo é um gadget capaz de produzir texto em qualquer ambiente – quem sabe o Mobilis Encore? :P

  4. Lulileslie,

    O problema é quando esse local público é um evento de uma empresa de tecnologia, hehehe. Quanto à conexão de internet da sua casa, se for da Net e vc reclamar com eles, acabam por descontar os dias que ficaram fora do ar. Chame o técnico da empresa, pode ser que o cabo esteja com problemas.

    A internet tinha que ser algo básico como água e luz. O Brasil está longe (muito longe) disso.

    Danilo,

    Lá no evento da MS Remix tinha Vex. Tenho conta lá, mas a Vex, pra variar, não estava funcionando. Aliás, a Vex nunca funciona quando precisamos.

    Marmota,

    É verdade. Andar com um notebook na mochila não é muito recomendado em grandes centros como SP. Os smartphones conseguem suprir esse problema de produzir texto em qualquer lugar. Testei uma única vez, vou ver se uso com mais freqüência.

    Abraços a todos!

  5. O grande problema no Brasil é a ganância e o monopólio, pago mais de 120 reais por uma conexão de 600 kbps que cai ao menos 38 vezes por dia, fornecida pela Brasil país que deveria ser implodido Telecom. Não dá para ser feliz.

  6. 6. Camilo Carneiro disse em 4 jul 2007 - 08:12

    Fiquei curioso com esse evento do Fiz.TV envolvendo blogueiros. Você postará algo a respeito?

  7. Azar do wi-fi!!! Agora vc tem um smartphone! Dá para postar de qualquer lugar!

    Já estou até craque em acentuar os textos! Só se a minha namorada vê eu usando ele enquanto ela está junto, adeus Moto Q.

  8. j.noronha,

    Além do problema de ifra-estrutura que enfrentamos em nossas conexões residenciais, chego à conclusão que internet sem fio é mito, hehehe!

    Mas falando sério… vc paga muito caro pela sua internet!

    Camilo,

    Bom, estava aguardando eles lançarem o site do Fiz. Mas pelo jeito vai ser só blog por enquanto. Devo escrever mas se quiser ver quem falou sobre isso, dá uma olhada no Technorati/ Blogblogs procurando por “Fiz.Tv encontro blogueiros”, algo assim…

    Jonny,

    Azar do wi-fi. Sempre reclamei da tecnlogia que todos endeusavam como A internet móvel, mas pra mim nunca foi. O negócio mesmo para mobilidade é internet com celular atuando de modem.

    Abraços a vcs!

  9. Imagine rede wi-fi em uma cidade do interior do Brasil?

    Maringá é o nome da cidade.

    Até mesmo a Bia já reclamou de uma rede paga que não funciona.

    Dá vontade de viajar pra fora só para usar uma rede decente.

  10. […] como concorrer com os profissionais mobiles? E qual é o problema desse […]

  11. Tá no ar!!!!

    http://www.fiztv.com.br

    Entra lá depois… me diz o que achou…

    um beijo

  12. Nos debates presidenciais na TV, no ano passado, eu cobri com meu pocket PC por GPRS, porque o wifi não funcionava de forma alguma!

    Mesmo em lugares com a Vex, a maior empresa disso no país, a conexão quase sempre falha. Para você ter idéia, o prédio da minha faculdade (o da Gazeta) consta como sendo um hotspot da operadora. Agora, procura sinal de wifi lá? Tirando na Barcamp e uma misteriosa rede fechada (não era a da Vex) que apareceu UMA vez, não tem!

    O wifi está apenas no Reserva Cultural, cinema que fica no térreo baixo do prédio. É mole?

    Pois é, por mais que tenhamos boa vontade, as condições são muito precárias – o que se torna até uma ofensa quando acontece nos eventos sobre tecnologia.

    Abraço!

  13. Eu escrevi uma matéria sobre o Fiz.tv , quem quiser dar um lida num outro ponto de vista.

    Fiz.tv Quem Faz tem tv paga?
    http://www.sopojo.com/?p=8

    []s
    filipe

  14. issamu,

    Nem em Maringá, nem em SP. Quantas vezes fui a um hotspot da Vex (a mesma empresa citada pela Bia, creio) e não funcionava? Wi-fi é hype, mas não serve para internet confiável fora de casa ou do escritório.

    Patrícia,

    Legal, eu vi! Parabéns!

    Gustavo,

    Pois é, Vex no prédio da Gazeta só no Reserva Cultural. Eu sempre achei wi-fi uma utopia. E cada dia mais me convenço disso.

    Filipe,

    Legal. Nesses casos é melhor mandar um trackback.

    Abraços a todos!

  15. […] Ou seja, para fazer live-blooging era um passo. Mas percebi que aqui no Brasil isso não da certo. Não por que não há infra-estrutura para isso e sim pois as grandes novidades das palestras que vamos cobrir, geralmente não são tão […]

Deixe um comentário

Faça apenas comentários relacionados a este post. Caso tenha dúvidas, sugestões, críticas, ou queira discutir qualquer outro assunto que não esteja relacionado a este post, entre em contato pelo formulário ou através do email [email protected]

Siga-nos no Twitter Nossa página no Facebook Assine o RSS Receba os posts pro email