HD-DVD hackeado: quem se importa?

por Alexandre Fugita

[HD-DVD crackeado] Não, não vai ser um artigo dizendo que as mídias físicas estão mortas. Isso eu já escrevi antes. Na semana que passou saiu a notícia de que um filme em HD-DVD foi disponibilizado em BitTorrent. Isso é uma conseqüência do crack publicado na internet no final do ano passado para fazer cópias de discos HD-DVD. O download ilegal de filmes pela internet ganhou mais um formato. Sabendo que um filme gravado em um disco de alta definição ocupa cerca de 20 GB, ou seja, algo muito grande, quem se importa com o HD-DVD crackeado?

Razões para não baixar um filme em HD-DVD

Primeiro, é ilegal. Só isso já bastaria, mas o tamanho do arquivo é que é o problema. Armazená-lo em seu computador ocuparia uma parte considerável do espaço disponível, mesmo que você tenha um HD de 200 GB. Não dá pra gravar em mídia física externa pois ainda não há meios baratos para fazer isso.

O download seria um suplício pois um arquivo de 20 GB gastaria pelo menos 30 GB da sua banda mensal de uso, considerando upload e download. Caso você não saiba, no BitTorrent ao mesmo tempo que você baixa, precisa disponibilizar parte do arquivo para os outros. Fora que ia demorar muito tempo.

Além disso, você, como a maioria dos espertinhos das redes de BitTorrent, não iria querer disponibilizar o arquivo para os outros depois do download terminado pois vai ficar consumido banda e mais banda da sua cota mensal. Ou seja, os outros também vão pensar assim e a disponibilidade do arquivo pode ficar baixa, demorando ainda mais o download.

Blu-Ray também crackeado?

O Engadget acaba de informar que o mesmo hacker que quebrou a proteção do HD-DVD está dizendo agora ser possível copiar filmes em Blu-Ray. Não tem jeito. Os códigos de descriptografia dessas mídias físicas precisa estar presente no hardware ou software dos leitores de discos. Um dia, como está acontecendo agora, alguém consegue acesso a esta informação. Como disse um amigo meu, filosofando sobre o assunto, começou!

Comentários do Facebook
39 comentários
  1. Concordo plenamente, Alexandre.
    Imagina quanto tempo demoraria para baixar um torrent de 20 GB!

  2. Numa conexão de 4 gigabits, que já tem muitos adeptos nas maiores capitais do Brasil, baixar um HD-DVD consumiria 11 horas. Nada tão exagerado. Quem é heavy user e tem acesso pago a servidores de newsgroups não precisa gastar banda de upload com bittorrent.

    De qualquer forma, a disponibilização destes HD-DVDs no Pirate Bay (sempre ele) não tem o objetivo de realmente popularizar o formato, mas de fazer propaganda.

    O Pirate Bay está dando um recado claro à indústria: não adianta tentar abandonar o DVD e abraçar outros formatos, que isso não impedirá a distribuição do conteúdo.

    Sim, não há gravadores de HD-DVD caseiros, mas nada impede que o usuário o converta para um arquivo DivX de 4 gigas, de excelente qualidade, grave num DVD-R e assista em seu home theater com DVD player compatível com o formato.

  3. 3. Edu disse em 21 jan 2007 - 14:59

    Sim, mas não seria mais fácil baixar o DVDR direto de uma vez? Pra que baixar 20gb e converter pra 4!! ;x

  4. Alexandre, concordo quando você diz que não adianta lotar de proteção, seja no hardware, seja no software.

    Contudo, como o Marcus disse, a pessoa que copiar o filme em HD-DVD ou Bluy-Ray pode muito bem converter um arquivo para um DivX por exemplo. E vale ressaltar também, que a realidade da banda larga no exterior é diferente daqui.

    Abraço

  5. Edu, no caso, quem converteria o arquivo em DivX não é quem fez o download na internet, mas sim quem comprou/alugou o filme em HD-DVD/Bluy-Ray, desta forma não há este consumo exagerado de banda.

  6. Olá pessoas!

    Vou responder a todos, individualmente, em um único comentário:

    Nick,
    Não só o tempo que demoraria, mas o espaço necessário para armazená-lo e a banda gasta. Fica “inviável” para os atuais padrões da internet.

    Marcus,
    Bom, isso se vc usar toda sua banda no máximo, sem usar a internet para qualquer outra coisa… E se vc conseguir essa velocidade já que as operadoras de cabo e DSL propagandeiam um número mas só garantem 10% disso. Mas não seria 4 MEGA bits ao invés de GIGA? Qto ao recado de “marketing” que a disponibilização destes HD-DVDs gerou, é verdade, concordo plenamente.

    Edu,
    Exato, esse é o ponto. O Marcus acima recomendou converter para DIVX de 4 GB… Mas isso não faz sentido… Melhor então baixar o arquivo do DVD e não do HD-DVD. Concordo com vc e era exatamente isso que queria passar!

    Thiago,
    Novamente, como disse para o Edu (acima), qual o sentido de pegar um filme em altíssima qualidade (HD-DVD) e convertê-lo para um 4 GB? Perde-se qualidade, mais fácil baixar um DVD, o que daria na mesma e faz a idéia de baixar HD-DVDs sem sentido. É verdade que a realidade de banda larga fora do Brasil seja diferente, muito melhor. Mas mesmo assim ainda acho demais (para o momento atual, nada impede que isso mude no futuro, e vai mudar) baixar um HD-DVD via torrent.

    Abraços a todos!!

  7. Baixar um vídeo no formato HD-DVD ou Blue Ray seria surreal visto a nossa realidade. A internet gringa pode até ser melhor mas também acho completamente desnecessário (hoje) encarar um download de 20 ou 40 Gb.

    E realmente acho bem difícil surgir um tipo de criptografia infalível em mídias físicas.

    Mas o futuro ainda é incerto.

  8. Alexandre, novamente concordo com o que você disse, que não compensaria fazer o download de um filme em alta definição para depois reduzir a qualidade. No entanto pode vir a ter possíveis filmes que possam vir a sair apenas para HD-DVD e não mais para o antigo DVD – estratégia que o pessoal aprende com a microsoft, para forçar a migração de plataforma, hehe.

  9. Aldemir,
    Sim, surreal. 20 ou 40 GB, além de demorar muito o download, ocuparia, metade ou um terço dos HDs de muita gente hoje em dia. O HD-DVD e o Blu-Ray possuem um “esquema de guerra” (AACS) para criptografia, mas sempre alguém consegue furar a barreira.

    Thiago,
    Sim, é verdade. Se sair só em alta definição aí fará sentido o download (ilegal, ou cinza, vamos lembrar disso!) ou a conversão para um tamanho menor.

    Abraços!

  10. 10. moisa disse em 22 jan 2007 - 09:38

    para que tanta preoculpação….logo..logo..surgirá nova tecnologia capaz de interargir com nosso neuronios,trazendo informações no inesistente à existencia.., afinal de contas isso já existe né…..”softrs”

  11. Moisa,

    Hehehehehe! Vai saber, ninguém sabe como será o futuro. Tudo pode ser diferente em 5 anos…

    Até!

  12. 12. Marcelo Y disse em 23 jan 2007 - 17:41

    Atualmente, não acredito que exista razão para alguém baixar 20GB em um só arquivo. Para quem olha, imagina que é um desperdício, tanto de espaço em HD quanto de banda de internet. Concordo 100%.

    No entanto, pensei em outra coisa: todos estamos acostumados a ver um arquivo de filme com 700MB ou até 1,4GB. É o padrão atual.

    Entretanto, num futuro próximo, acredito que veremos os 700MB que baixamos hoje e o consideraremos “ridículo”, assim como hoje consideramos a capacidade de um disquete 3/4 “ridículo”. É a tendência.

    Eu penso que o que temos aqui é o início de uma nova era no padrão de downloads.

    Logo, pegando a idéia escrita no texto, “começou”.

  13. Marcelo,

    Na atual fase da internet/ tecnologia de armazenamento não faz sentido. Mas como vc mesmo disse daqui alguns anos tudo isso que estamos discutindo aqui soará ridículo como o disquete é hoje mas já foi no passado tecnologia de ponta.

    Pois é, “começou”! (não sei de onde tirei essa palavra…) hehehehe!

    Até!

  14. […] Semana passada o Alexandre discutiu sobre isto, e afirmou que ninguém se importa com a proteção quebrada, os argumentos dele é que além de ser ilegal, mesmo com HDs tão grandes como temos hoje, 20 GB por filme seria muito, gastaria muita banda de transferência, e muita gente tem cota limitada. […]

  15. 15. Paulo disse em 3 maio 2007 - 18:46

    Pessoal!!!

    Vocês estão esquecendo que não só apenas filmes que serão distribuídos em HD-DVD e BlueRay….. os jogos não da pra “transformar” em DVIX, no maxímo rippar ele e retirar filmes, aberturas, finais e outros não tão necessários ao jogo…. mas ai sim não faria sentido baixar um jogo “pela metade”. Na parte dos filmes… toda razão… alguém compra/aluga, rippa ele em DIVX e distribui… resultado: filmes exclusivos HD-DVD/BlueRay distribuidos em DVIX na web e “de graça”.

  16. Paulo,

    Estou discutindo o fim das mídias físicas de forma geral. Até pra jogos. Um jogo não precisaria ser cortado para transmitir pela web. É possível vender o jogo inteiro por download, assim como filmes. Estes talvez não na qualidade de um disco de alta definição por enquanto. Mas em breve.

  17. 17. Paulo disse em 9 maio 2007 - 16:24

    O problema esta exatamente no tamanho dos filmes/jogos das mídias de alta definição, um download pode demorar muito, até para quem tem Banda Larga. Mas eu não estava falando sobre o fim das mídias físicas, que é até uma hipótese, até porque muitos softwares são vendidos via download, incluindo a Microsoft que faz Atualização do XP para Vista on-line.

    O lance é:
    Não adianta criarem proteção… alguém vai quebrar.
    Na atual realidade da Internet Brasileira, o donwload de um filme/jogo, na sua forma original, projetado para mídias de alta definição é praticamente inviável.

    Por isso o DIVX/RIPPER são as formas para distribuir esse conteúdo e, no meu ponto de vista, o tamanho ainda é melhor Anti-Pirataria do que o código.

    -x-x-x-x-x-x-x-x-
    Alexandre Fugita

    Saindo um pouco do assunto, você se contradiz no seu último comentário, pois no inicio do tópico você disse:
    “…. Não, não vai ser um artigo dizendo que as mídias físicas estão mortas. Isso eu já escrevi antes…. “

  18. Paulo,

    Acho que o tamanho sempre será fator limitante. Antigamente 1 MB era coisa pra caramba. Hoje não é nada. Atualmente 1GB é coisa pra caramba. Daqui a 5 anos deve ser nada.

    A discussão do texto trás esse ponto: de que adianta quebrar o HD-DVD se o arquivo é tão grande que chega a ser inviável?

    obs: sim, é verdade, contradição. Mas a discussão das mídias físicas está inclusa nesta, apenas não me foi prolongada no texto pois já havia escrito sobre isso antes.

    Abraços!

  19. 19. Anthony disse em 29 jun 2007 - 12:50

    quem disse que se tem de baixar o disco completo já ainda por aí HD-DVD-Rip apenas com 4Gb ou 2gb, ou mesmo HDTV-Rip, o mesmo que um HD-DVD-Rip mas utilizando uma fonte e captação externa mas perdendo qualidade apenas com 800Mb ou 1Gb.

    Eu sou português de Portugal por isso podem não perceber tudo. ;)

  20. Anthony,

    Se for pra baixar um HD-DVD comprimido em 1GB, pra quê serve o HD-DVD? A qualidade de um arquivo comprimido cai, fica pior… voltamos ao DVD… Não faz sentido algum.

  21. 21. Anthony disse em 30 jun 2007 - 16:08

    sorry erro meu há HD-DVD-Rip com 2Gb, por exemplo o Black Rain, mas com boa qualidade há o Equilibrium com 4.37 Gb que a resolução é de 720p/1280×544 OAR, assim é que é. ;)

  22. 22. Anthony disse em 30 jun 2007 - 16:12

    Alexandre Fugita,
    quando eu falei em 800Mb ou 1Gb são HDTV-Rip, que é o HD-DVD-Rip ou Blue-Ray, e depois com outros instrumentos captam o sinal, mas claro que perde qualidade…

  23. 23. Anthony disse em 30 jun 2007 - 16:13

    Alexandre Fugita,
    quando eu falei em 800Mb ou 1Gb são HDTV-Rip, que é o HD-DVD-Rip ou Blue-Ray a ser reproduzido, e depois com outros instrumentos captam o sinal, mas claro que perde qualidade…

  24. Anthony,

    Acho que toda vez que se comprime um arquivo digital, a qualidade cai, não importa o que seja dito. Se um disco de alta definição possui capacidade para 20GB e transformamos em 4GB ou 1GB, certamente algo foi jogado fora. Se não não teríamos discos de 20GB. Por isso o artigo dizendo que não faz sentido a quebra de um HD-DVD atualmente… não há forma barata de armazená-lo.

    Abraços ao pessoal de Portugal (o segundo país que mais visita o Techbits, fora o Brasil, claro!).

  25. 25. Anthony disse em 30 jun 2007 - 19:17

    obrigado o abraço está dado.
    Voltando ao assunto a qualidade pode não cair porque é retirado o menu os extras os avisos etc. ficando so o que interessa o FILME.

  26. Anthony,

    Concordo com vc que parte das coisas é retirada como menus, extras, idiomas, legendas… mas mesmo assim de 20 GB pra 4GB tem chão… apesar de imperceptível a qualidade é prejudicada.

    Isso em teoria pq na prática nunca fiz essa comparação :-)

    Abraços!

  27. 27. Anthony disse em 30 jun 2007 - 19:47

    nem eu…
    eu nao saco filmes, ou vou ao cinema ou vou a vídeo clube, da minha zona

  28. 28. Jabu disse em 28 jul 2007 - 02:32

    Affffffff! Vcs não entendem nada mesmo de compactação! um CD de audio perde qualidade quando passamos para Mp3??? Um Divx que baixam na net perde qualidade quando esse bitrate fica abaixo de um DVD… mais hoje temos tecnologia de compactação x264 que deixa a imagem praticamente igual ao formato original….

    Antes de falar merda! testem e vejam…. muitos falavam que um mp3 perdia qualidade em comparação ao Cd… veja que um Cd cabe no máximo 80 min de musica já em mp3 cabe + de 24 horas!

    Pq não faz então logo em formato Divx com 4 gigas?? horas ! isso é pq Divx é uma tecnologia patenteada! e não iria precisar trocar de DVd para rodar! e as empresas perderiam dinheiro ! afinal precisam vender mais componentes e lucrar novamente…..

    Entenda tb que um Divx comprimido precisa de um processador bom e memoria ram para rodar ! coisa que um player comum não faria… ou teria que ser muito caro…

    Tenho filmadora que filme em 1080p aqui! e faço compactação sem perda…. Perdão…. não aguentei tamanha besteira escrita aqui….

  29. Jabu,

    Sim, perde qualidade. Os audiófilos mais exigentes dizem que até o CD de áudio já tem qualidade degradada em relação aos discos analógicos de vinil.

    Qualquer forma de compactação leva à perda de qualidade. Mesmo o Divx, o h264… Como vc mesmo disse “praticamente igual”, ou seja, é diferente.

    Se vc domina alguma tecnologia de compactação sem perda, patenteie logo isso e fique rico. Pq por enquanto nada que existe por aí consegue esse feito.

  30. 30. Anthony disse em 6 ago 2007 - 14:49

    Alexandre Fugita ele não é o único existem varias equipas que fazem isso ;)

    Cumprimentos de Portugal

  31. Olá Anthony!

    Sim, várias. Novamente abraços para o pessoal de Portugal.

  32. 32. FRANCISCO disse em 13 set 2007 - 08:41

    ei aqui em casa ia demorar um ano mesmo sendo banda larga. Quem é que baixariu um arquivo deste tamanho?

  33. 33. Anthony disse em 13 set 2007 - 09:36

    eu se tivesse uma TV de Alta definição
    e não demoraria um ano e eu tenho net de 12 mb no máximo 2/3 dias dependendo da velocidade que tivesse a baixar.

  34. 34. alexandre disse em 15 set 2007 - 00:03

    oi mas nao seria possivel eu pegar um hd dvd de 20 giga e colocar em varios dvds por exemplo?

  35. 35. Anthony disse em 15 set 2007 - 05:45

    acho que seria possivel mas teria de andar sempre a mudar de dvd…

  36. Anthony e Alexandre (xará),

    Não acho nada prático ter que dividir um HD-DVD em vários discos de DVD. Não faz sentido e esse é o ponto central do meu texto.

    Francisco,

    o arquivo seria tão grande que não é viável baixá-lo.

  37. 37. Juliano disse em 10 out 2007 - 13:19

    gostaria de saber o numero serial do programa divx por favor obrigado

  38. Juliano,

    Aqui vc não encontrará esse tipo de informação…

  39. 39. Clayton disse em 9 set 2008 - 17:53

    Algumas considerações sobre compactar/ripar um arquivo de áudio ou vídeo:

    Áudio de CD para MP3 corta as frequencias abaixo de 20Hz e acima de 20KHz, mantendo essa faixa que é a única audível pelo ser humano, porém como o Alexandre Fugita disse, os audiófilos provam que certas frequencias sonoras, mesmo não sendo escutadas, podem ser “sentidas” pelo homem, ficando assim um arquivo MP3 com qualidade inferior ao som original da gravação em estúdio.
    Quanto a filmes, mesmo o melhor rip de um vídeo tem suas marcas de baixa qualidade, como por exemplo as partes escuras de uma cena onde ocorrem granulação e manchas, inexistentes no arquivo original.
    Portando, importante é ter consciencia de que TODA compactação gera alguma perda na qualidade, e que voce é quem deve decidir qual a sua mínima qualidade aceitável.
    Assim como os audiófilos adoram o som original e perfeito em todas suas frequencias, eu prefiro e prezo a qualidade de imagem de um filme, chegando ao ponto de ter parado de baixar cópias ripadas de filmes e ter o seguinte argumento pessoal: Melhor assistir no cinema ou aguardar o lançamento da mídia em DVD que pode ser comprado em locadoras por um preço baixíssimo após um tempo de lançado.

Deixe um comentário

Faça apenas comentários relacionados a este post. Caso tenha dúvidas, sugestões, críticas, ou queira discutir qualquer outro assunto que não esteja relacionado a este post, entre em contato pelo formulário ou através do email [email protected]

Siga-nos no Twitter Nossa página no Facebook Assine o RSS Receba os posts pro email