Amazon Unbox: filmes para download

por Alexandre Fugita

Amazon Unbox - o fim das mídias físicas?Acaba de entrar no ar o novo serviço de vídeos da Amazon, chamado de Unbox. Como eu já havia dito antes, esqueça Blu-Ray vs. HD-DVD. O pessoal do Caveat Emptor tem lá seus argumentos para a guerra de formatos de discos digitais. Mas a batalha é outra: Amazon Unbox vs. Apple ITMS (iTunes Movie Store). E dessa vez, a Amazon saiu na frente. Vamos esperar até a próxima terça (12/09) pra ver se os rumores da Apple se concretizam.

A Cauda Longa e os filmes

Até hoje o mercado de filmes foi regido pela escassez. Dos milhares de filmes feitos por ano, pouquíssimos são exibidos em cinemas e uma parte ligeiramente maior sai em DVD. A grande maioria não consegue atingir esses canais de distribuição e ficam restritos a festivais de cinema-cabeça. Podem ser ótimos filmes, mas são vistos por poucas pessoas.

Com o lançamento do Amazon Unbox entramos finalmente na Cauda Longa dos filmes. Não só sucessos arrasa-quarteirão de Hollywood[bb] serão vendidos, como também filmes obscuros ou de Bollywood terão sua vez. Vai depender da preferência de cada um. Ningúem mais ficará restrito a assistir apenas os sucessos. Poderá escolher de uma variedade imensa aquilo que agrada.

Isso só é possível com a economia da Cauda Longa. Prateleiras infinitas para divulgar os filmes. Mecanismos de busca poderosos para filtrar individualmente o que é relevante. Internet e banda larga para distribuir. Abundância de escolhas, custos mais baixos. Sinto muito: adeus Blu-Ray e adeus HD-DVD.

Comentários do Facebook
7 comentários
  1. filmes em baixa resolução, que só tocam em players proprietários, cheios de DRM (no caso da Amazon, tem 30 dias para assistir, e depois que começa a assistir, tem que terminar em um máximo de 24 horas). também tem que esperar para ver como será a questão de tocar os arquivos em outros meios que não o PC em que ele for baixado.

    por enquanto, a batalha de iTunes (que, até agora, só tem filmes da Disney) e Amazon (que só tem filmes dos grandes estúdios) é com Bittorrent e P2P em geral, quiçá com Netflix. e começaram perdendo.

    repito minha opinião: a batalha entre HD-DVD e BluRay não é afetada por essa batalha das vendas de vídeo pela Internet. isso é coisa para, no mínimo, daqui cinco anos, como disse o Mark Cuban.

  2. Olá Solon!

    Eu não quis tratar do DRM neste post mas sei que isso é um grande problema, e já critiquei esse tipo de proteção anteriormente. Eu também não gosto da idéia de ficar preso a tecnologias proprietárias. Pode ser “perigoso”, se é que vc me entende. O torrent é um inimigo forte dos estúdios. Mas em todo mercado em que se oferecem opções legais (e.g, música que o iTunes já vendeu mais de 1 bilhão delas) uma parte das pessoas acaba por comprar ao invés de piratear. Claro, vem com DRM e isso é ruim.

    Também imagino que a batalha Blu-Ray vs. HD-DVD ainda tem chão pela frente. O que quero destacar é que nem bem a tecnologia estreou e uma grande ameaça aparece (streaming legal).

    Ah, e a NetFlix. Imagino que serão os próximos a vender/ alugar filmes por streaming.

    Falou, a discussão está interessantíssima!

  3. o DRM do iTunes não incomoda ninguém. primeiro, porque o mundo inteiro tem um iPod. e segundo porque pode-se usar o próprio iTunes para queimar um CD com as músicas, que por sua vez podem ser transformadas em MP3 se o usuário assim quiser (além de que agora há o myFairTunes que resolve esse probleminha).

    por outro lado, assistir a vídeos em uma tela de 2.5″ jamais vai ser competição para televisões de alta definição de 60″ ou mais. ou seja, ou a Apple permite que se queime DVDs com os vídeos (até agora, é obrigatório usar QuickTime), ou prevejo que a loja de vídeos deles será um desastre.

    no caso da Amazon, o player proprietário deles só funciona em PC e não há previsões de que funcione em Mac ou Linux. não pode-se transferir o arquivo de um computador para o outro. a resolução é baixa e, ainda assim, os vídeos são grandes (média de 1.2 GB por hora de vídeo).

    ou seja, para funcionar como “streaming”, a pessoa precisa ter uma conexão capaz de manter uma média de 335 kb/s, e não usar a Internet para mais absolutamente nada. para assistir a um vídeo na tela do seu computador, sem nenhum extra, em baixa resolução.

    não adianta, não vejo isso como “grande ameaça” para formatos físicos. o conceito de streaming legal existe há muito tempo, mas ele só se tornará uma ameaça de verdade quando for viável para qualquer José da Silva, que vai poder baixar os arquivos sem ter que dedicar toda sua banda para isso, podendo assistir na sua TV sem ter que ler um enorme manual e na mesma definição dos formatos físicos.

    e isso é coisa para, no mínimo, cinco anos. mais do que tempo para qualquer empregada doméstica ter um aparelho de HD-DVD ou BluRay em casa, como têm DVDs hoje em dia. e mais do que tempo para a briga contra o DRM, a guerra dos videogames e o crescente prejuízo em Hollywood terem mudado completamente o caminho das coisas.

    enfim, esses comentários já estão ficando maiores que o post, hehe. depois vou deixar um post com a minha opinião lá no blog.

  4. Olá Solon!

    Bom, eu já assisti vídeos em streaming (keynotes do Jobs) ao vivo sem nennhum problema. Tá certo que a qualidade da imagem não era das melhores mas muito melhor do que aqueles videozinhos que baixávamos em Real Player anos atrás.

    O DRM é um problema contornável como vc mesmo diz. Não adianta tentarem bloquear pois alguém consegue quebrar o protocolo.

    Sim, o streaming legal existe há algum tempo. Mas só agora as grandes estão entrando no mercado. Isso vai dar uma sacudida e talvez seja o início de grandes mudanças. Pode ser realmente o fim dos formatos físicos. Tá certo que tem o caso dos videogames… Mas o PS3 da Sony tá pior que o Vista: atrasa, atrasa, atrasa… e o Xbox 360 foi lançado sem HD-DVD mesmo…

    Até! (os comentários realmente ficaram gigantes, hehe!)

  5. Estatísticas do Techbits…

    Domingo e segunda-feira foram dominados pelos resultados do primeiro turno das eleições. Ou seja, todos estão craques em porcentagens e estatísticas. Por isso resolvi contribuir e divulgar as estatísticas do mês de Setembro do Techbits. Eu sei qu…

  6. 6. Dalton disse em 18 mar 2007 - 04:21

    HD-DVD e Blu-Ray não vão pegar no Brasil tão cedo, quanto mais para pessoas de baixa renda. Para ver a vantagem desses formatos, só mesmo tendo um monitor ou tv capaz de mostrar 1920×1080 pixels, lembrando que isso é widescreen. Não acho que essas telas vão ficar baratas tão cedo. Um indício de como estamos longe disso é ver como os geeks, normalmente adiantados na adoção de novas tecnologias, ficam felizes com monitores de 19″ com resolução de 1280×1024 (5:4). Esse é o “topo de linha” dos geeks brasileiros. Acima de 19″ os preços ficam exorbitantes. Um monitor 24″ LCD capaz de mostrar 1920×1200 (e portanto filmes full HD de 1920×1080), que nos EUA custa US$ 750 (newegg), no Brasil custa a bagatela de R$ 6000 (imagemrio).

  7. Dalton,

    Bom, além do preço acho que são duas tecnologias fadadas ao fracasso antes mesmo de se popularizarem (ou seja, não irão se popularizar em qualquer lugar do mundo…).

    A internet irá substituir gradativamente a distribuição de conteúdo deixando para trás essas formas antigas de vender uma mídia física.

    Abraços!

Deixe um comentário

Faça apenas comentários relacionados a este post. Caso tenha dúvidas, sugestões, críticas, ou queira discutir qualquer outro assunto que não esteja relacionado a este post, entre em contato pelo formulário ou através do email [email protected]

Siga-nos no Twitter Nossa página no Facebook Assine o RSS Receba os posts pro email