A paranóia do DRM

por Alexandre Fugita

[DRM paranóia] Dizem que a tecnologia só melhora nossas vidas. Não é bem assim. Quem conhece o DRM sabe que é uma tecnologia que está aí para atrapalhar. DRM, ou Digital Rights Management, são tecnologias para controlar a distribuição e visualização de conteúdo, seja ele vídeo, áudio e até texto. Estudar o DRM profundamente mostra que isso só faz mal para todos os interessados no conteúdo: consumidores, indústria e artistas. Para quem acha que ser contra o DRM é ser pirata, longe disso. Também é fácil entender por que o DRM não funciona: filmes são criptografados. Para conseguirmos descriptografar uma mensagem é necessário termos a chave para isso, ou seja, ela obrigatoriamente está presente no seu aparelho ou software do computador. Concluindo, estará sob o seu controle a mensagem a ser descriptografada e a forma como fazê-la. Daí para quebrarem o segredo é um passo.

Paranóia

O Windows Vista é um sistema operacional totalmente paranóico quando se trata de conteúdo. Mecanismos de DRM embutidos no Vista só permitem tocar conteúdo de alta qualidade e protegidos por DRM, se em nenhum momento – vou explicar isso melhor adiante – existir a possibilidade do conteúdo cair nas mãos de possíveis hackers.

Por exemplo, o cabo que liga o player HD-DVD (alguém?) instalado em sua máquina à placa de vídeo/ placa mãe, precisa estar protegido por DRM. O cabo que sai para seu monitor precisa ter DRM. O sistema operacional verifica se a proteção foi quebrada em algum desses pontos várias vezes por segundo. Em caso positivo a qualidade do sinal imediatamente cai para evitar que alguém faça uma cópia de alta qualidade.

Praticamente só de bater um ventinho em um desses cabos o Vista já acha que está sendo invadido. Um texto que explica muito bem todo esse processo é o paper do Peter Guttman chamado “A cost analysis of Windows Vista content protection“.

Revogação de chaves

Os sistemas de DRM do HD-DVD e Blu-Ray possuem um sistema de revogação de chaves criptográficas. Uma vez descobertas pelos hackers, uma chave pode ser revogada e os players que o possuem deixam de tocar conteúdo de alta qualidade. A revogação é feita através de atualização do firmware de tocadores quando estes entram em contato com novos discos lançados pela indústria e que são capazes de atualizar os sistemas. Usar esse mecanismo pode ser um tiro no pé da indústria, mas já foi feito pelo menos uma vez para aquela famosa seqüência que se espalhou como um meme pela web semanas atrás.

Isso na verdade não adianta muito pois novas chaves criptográficas lançadas também sofrerão os mesmos ataques e serão quebradas. O AACS versão 3, que está pra ser lançado na próxima semana (dia 22), já foi quebrado pelos hackers . A briga de gato e rato da indústria tem se mostrado dispendiosa e ineficaz.

Guerra de formatos infinita

Mas e daí, quem se importa com essa guerra de mídias físicas? O negócio vai ser a distribuição online de filmes, certo? Provavelmente, mas certamente terá DRM. Isso cria uma situação um tanto inusitada já que antes tínhamos uma guerra entre HD-DVD e Blu-Ray. Mas agora, cada loja, cada player do mercado de vídeos online vai querer usar seu próprio sistema de DRM, incompatível com os dos concorrentes. Uma briga de apenas dois formatos vai virar uma guerra infinita de formatos

Comentários do Facebook
7 comentários
  1. Excelente artigo, e concordo com o que vc disse.

  2. Como sempre dizem, quem vai dizer o formato ideal é a indústria de filmes adultos. Temos que esperar a poeira baixar.

  3. Brasil,

    Valeu, é um assunto meio batido, mas sempre gosto de falar sobre isso.

    Renê,

    A indústria pornô tem um poder gigante quando se trata de escolher formatos de mídia física. Desta vez escolheram o HD-DVD, mas devem ter lá suas incursões no download pago de seus videos.

    Abraços a vcs!

  4. Muito bom artigo! Esse DRM esta me perturbando aqui!

  5. Pagerank,

    DRM é sempre um problema!

  6. 6. Laudemir disse em 6 dez 2008 - 08:31

    E kal programa ke kebra esta drm?

  7. […] futuros do aluguel de filmes e vídeos. O serviço não optou pelo formato DRM (leia: A paranóia do DRM), mas lança um sistema que permite o aluguel de filmes para serem assistidos no seu próprio […]

Deixe um comentário

Faça apenas comentários relacionados a este post. Caso tenha dúvidas, sugestões, críticas, ou queira discutir qualquer outro assunto que não esteja relacionado a este post, entre em contato pelo formulário ou através do email [email protected]

Siga-nos no Twitter Nossa página no Facebook Assine o RSS Receba os posts pro email