A Síndrome do Boeing

por Alexandre Fugita

[wtc, 11/9] Os negócios não podem parar. O mundo é 24/7. Imagine agora o pior dos cenários para uma organização: um Boeing cai sobre sua infra-estrutura de TI. O que acontece? A empresa pára? Deixa de existir? Não. Precisa estar preparada para reagir imediatamente e voltar a operar em pouquíssimo tempo. Algumas horas, no máximo. Esse cenário de um avião caindo sobre um prédio ficou conhecido como a síndrome do Boeing e deve fazer parte dos planos de recuperação de desastres (disaster recovery plan DRP) das empresas.

História

Hoje faz 5 anos do ataque terrorista mais impactante de todos os tempos. Naquele 11 de setembro empresas literalmente evaporaram. Colaboradores mortos, infra-estrutura destruída. Nada disso impediu que algumas organizações voltassem a operar poucas horas após os prédios terem caído. O caso mais grave envolveu um banco de investimentos de títulos do governo americano que teve cerca de 70% de seus funcionários mortos (658 no total). Voltou a operar 2 dias depois.

Fornecedores de hardware e serviços também foram testados. Reza a lenda que a Dell enviou imediatamente 5000 computadores à região do ataque para suprir a demanda de seus clientes. Conta-se também que a IBM, menos de uma hora após o primeiro avião bater em uma das torres, já oferecia instalações temporárias a seus clientes em uma cidade vizinha a Nova York.

Comentários do Facebook
8 comentários
  1. li em algum lugar (que não consigo de forma alguma encontrar agora) que uma das empresas que foi atingida tinha backup …

    … na outra torre ! :o

    O resultado você imagina: A empresa simplesmente sumiu do mapa.

    Vou procurar o link novamente e se encontrar posto aqui.

  2. Olá Rafael!
    (não sei se dou risada, ou choro). Especialistas dizem que o backup deve ficar longe do original (quase óbvio, né?)… Esse foi um erro grave. Ok, aguardo o link se vc o encontrar!

  3. 3. Marcelo disse em 12 set 2006 - 17:04

    Eu tb não sei se dou risada ou choro. Mas que certamente foi um tremendo azar desta empresa, ninguém pode negar.

    Tb fico no aguardo do link, se o Rafael o encontrar.

  4. Infelizmente não achei o link completo ao eu tinha lido, apenas “menção” ao ocorrido de forma rápida.

    Está nos links abaixo (os dois são a mesma notícia), no último parágrafo:

    http://www.universia.com.br/html/noticia/noticia_dentrodocampus_bfhfj.html
    http://www.agecom.ufsc.br/index.php?secao=arq&id=2458

  5. encontrei o link e postei, mas parece que deu algum erro ou foi deletado.

  6. Desculpem, não estava aparecendo aqui e agora está!

  7. Olá Rafael!
    Agradeço os links! Na verdade o sistema que uso mandou sua mensagem (#4) para aprovação pois continha dois links para outras páginas. Como isso é uma característica mais comum a spam, o sistema automaticamente segura a mensagem até que eu leia e aprove a publicação. Valeu!

  8. […] ano atrás escrevi um texto com exatamente o mesmo título que este. Naquela época ninguém lia o Techbits, tinha recebido nem mil visitantes no total […]

Deixe um comentário

Faça apenas comentários relacionados a este post. Caso tenha dúvidas, sugestões, críticas, ou queira discutir qualquer outro assunto que não esteja relacionado a este post, entre em contato pelo formulário ou através do email [email protected]

Siga-nos no Twitter Nossa página no Facebook Assine o RSS Receba os posts pro email